12 de nov de 2011

4 de ago de 2011

Animação que une beleza, graça e a própria autora da animação...

Vídeo maravilhoso da artista Miwa Matrayek. A artista interage com a animação de um modo surpreendente e fantástico. Eis o vídeo:


21 de jul de 2011

Games para meninas

A palestra é de 1998, mas somente em 2009 foi postada na página do TED. Vale a pena assistir para ver como foi o início, naquela época, pensar em um game para este público que hoje é quase a metade no mundo inteiro. com a palavra, Brenda Laurel, que já trabalhou para a Atari e a Activison como designer de software, na década de 1990:


12 de jul de 2011

TED talks: Tom Chatfield

Achei bem interessante esta palestra do TED, pois mostra o que podemos aprender com o jogo coletivo, trazendo do virtual, lições para o nosso mundo real. É mais uma palestra de qualidade!

1 de jun de 2011

Trailer do game Braid

Confesso que não conhecia este game. Vi o trailer e achei fantástico! A música, os cenários... Assim que comprar o Xbox 360, vou procurar. É game criado por Jonathan Blow.


Braid trailer 1.2 from David Hellman on Vimeo.

Entrevista com Jonathan Blow, criador de "Braid"

Achei bem interessante a entrevista deste designer de games, Jonathan Blow. Criador de um jogo chamado "Braid" que fez bastante sucesso entre os games independentes. É uma entrevista para o UOL, durante a SBGames de 2010.


http://jogos.uol.com.br/videos/assistir.htm?video=entrevista-com-jonathan-blow-0402993062C8C18307

28 de fev de 2011

Games por um mundo melhor!

        


Achei muito interessante esta palestra de Jane McGonigal, de 2010, sobre a possibilidade de utilizar games para propor soluções para o mundo, utilizando situações e problemas similares. É mais uma das maravilhosas palestras do TED. Está com legendas.

18 de fev de 2011

Live action de Street Fighter





 Muito legal este vídeo com algumas das lutas e combos do Street Fighter. Há uma primeira versão feita somente com homens. Mas nesta, feita com mulheres, convenhamos, é bem melhor! Aperta o play!

10 de fev de 2011

Epic Disney

  




Estou muito curioso para jogar Epic Disney no Wii. Desde a qualidade gráfica até as referências/reverências ao trabalho de animação da Disney, dos anos 30. Vamos ver como vai ser a jogabilidade. 

3 de fev de 2011

Animação polonesa que une pintura a óleo e 3D





Achei maravilhoso esta animação que vai sair em breve nos cinemas (lá fora). Espero que seja  distribuído aqui no Brasil o mais rápido possível. Dê um click e assista à reportagem.

2 de fev de 2011

A textura em Kirbys Epic Yarn


  Eu não sabia, mas havia uma versão anterior deste game da Nintendo. Em Kirbys Epic Yarn, o que mais me fascinou foi o trabalho com a textura, provando que, em primeiro lugar, a Nintendo é capaz de nos surpreender com games de qualidade e capacidade criativa em seus consoles. Neste game, em especial, trazer o universo da lã, do jeans, para dar forma a um game é, pra mim, algo realmente fantástico e criativo. Tudo bem que os gráficos estão bem avançados hoje em dia, muito realístico e tal. Porém... Ainda há espaço para criatividade sem recorrer ao realismo proporcionado aos games de consoles mais robustos como PS3.

30 de jan de 2011

Scott Pilgrim contra o mundo: o melhor filme de videogame



         No filme "Scott Pilgrim contra o mundo", o protagonista, Scott ( vivido pelo ator Michael Cera), conhece seu grande amor: Ramona Flowers (a bela atriz Mary Elizabeth Winstead). Como em toda história de amor adolescente, há um porém. Seus ex-namorados que vão aparecer, um por um. São os sete ex-namorados "do mal". Como em um jogo, cada namorado vai representar uma fase, chegando até ao Final Boss. Aí está um dos grandes trunfos do filme. Estão lá boa parte das estruturas de um game, reconhecidos por jogadores: o "insert coin", as armas adquiridas após a vitória em um combate,os combates e os seus "combos", as vidas para o personagem do jogo/filme etc. Mais interessante ainda: "Scott Pilgrim..." não é um game, mas uma adaptação de uma história em quadrinhos que utiliza estrututras de um game para contar a sua história. Tudo isto é levado em conta ao ser transportado para o cinema.
        O diretor Edgar Wright não abre mão dos elementos de uma história em quadrinhos e, principalmente dos games, para contar nas telas. Tudo isto mostra que certas estruturas de um game já estão enraizadas na cultura de massa que permitem este diálogo com outras áreas do entretenimento, como os quadrinhos e o cinema. E nada se perde, tudo se transforma. No fundo, o filme trata sobre relacionamentos, sobre o impacto do primeiro  grande amor. É uma história romântica. Mas a maneira como esta história é contada é o que surpreende e inova em termos de edição e narrativa. Vale a pena assistir. Deve sair em breve nas locadoras. Como disse no título, é o melhor filme de videogame porque não se preocupa em contar uma história de um game, mas em contar uma história a partir de elementos que reconhecemos em um game. 

28 de jan de 2011

Global Game Jam

Começa neste final de semana o Global Game Jam. Trata-se de um evento mundial em que desenvolvedores deverão criar em menos de 48 horas um jogo, a partir de um tema específico. No Brasil, a Seven Games irá sediar aqui no Rio de Janeiro, mas o evento está espalhado em mais dez sedes. Agora é torcer pelos amigos que irão participar...

21 de jan de 2011

O que é game design?

Há dois anos atrás assisti a uma palestra de Roger Tavares sobre Game Design. Estudioso do assunto, acadêmico e, agora empresário, posso dizer que valeu a pena, pois apresentou uma visão ampla sobre esta área de produção de games.


20 de jan de 2011

Os cem melhores jogos: uma bíblia para quem gosta de games




O livro Os cem melhores jogos foi lançado em 2008 pela Editora Europa. É baseado numa edição que saiu na Inglaterra, anteriormente. Por lá, eles priorizaram os jogos para PC. Como aqui, no Brasil, os jogos mais vendidos são para plataformas como PS2, SNES etc., a identificação do público é maior, ou seja, estes “cem melhores jogos” têm mais a ver com a nossa realidade, por isso, foram priorizadas tais plataformas.  Trata-se de um material muito interessante, bem ilustrado. Os textos, assinados em parte por autores que participaram pela edição inglesa, em parte por jornalistas e especialistas na área de games aqui no Brasil, mostram curiosidades e informações bem relevantes, como sobre o jogo Mega Man 2:

“Por exigência  da CAPCOM, a equipe de criação labutou em dois projetos ao mesmo tempo, 20 horas por dia. Mega Man 2 foi feito com paixão e regozijo, instituindo a série definitivamente.”
(Pág.: 60)

Enfim, há bastante material para leitura e análise, estatísticas para quem quer conhecer um pouco mais sobre games. Quem não conseguir o livro nas  livrarias pode tentar comprar pelo site da editora ou no site de sebos (Estante virtual). Agora, uma pergunta. Qual é o jogo considerado o número 1 pelos autores que escreveram este livro? Vou dar apenas uma pista: começa com a letra “S”e foi lançado em outubro de 1988 no Japão, pela Nintendo... 

Homem Aranha, Hulk e homem de Ferro salvam o dia!




Passei minha infância lendo gibis da Marvel.  Natural que eu ficasse encantado com esta animação de 2008. Fica aqui o registro e o agradecimento para o tradutor que também pôs as legendas. Apesar de a imagem não estar muito boa, é possível perceber o alto grau de modelagem (3D Max? Maya? ZBrush?). 

Mercado de games no mundo

Mesmo com a desaceleração da economia, o mercado mundial de games movimenta 30 bilhões de dólares ao ano. Existe a perspectiva de que o mercado alcance a marca dos 73,6 bilhões em 2013. No Reino Unido, os games venderam mais que filmes em 2009, segundo a GFK Chart-Track. A indústria cinematográfica chegou a arrecadar cerca de 1,2 bilhão de libras entre cinema e venda de DVDs. No mesmo ano, quase dois bilhões de libras foram gastos no consumo de produtos para games, conforme noticiado pelo Telegrafh. Somente o lançamento do título Call of Duty: Modern Warfare 2 vendeu 1,2 milhão de unidades em 24 horas.
O mercado fonográfico e até mesmo Hollywood já foram superados em termos de faturamento pelo mercado de games. Conforme a Entertainment Software Association (ESA), 68% dos lares americanos possuem pelo menos um videogame ou computador voltado para games e 37% das famílias jogam também em dispositivos móveis como celulares, iPhone, iPod e PDA.
John Riccitiello, presidente-executivo da Eletronic Arts (EA), acredita que no futuro próximo haverá 1 bilhão de usuários de games diante de algumas centenas de milhões de hoje em dia. Sua premissa está baseada na possibilidade de que os games atraiam não somente os jogadores hardcore (tipo de jogador que consome horas de jogo, lê sobre o assunto e participa de fóruns sobre games) mas também famílias e jogadores casuais , como ocorreu com a entrada do Nintendo Wii e do Wii Fit no mercado, que se tornou um grande sucesso. Os grandes estúdios vislumbram aumento nas vendas com a entrada de pessoas mais velhas e principalmente mulheres.

Referência bibliográfica: 
http://jogos.uol.com.br/reportagens/ultnot/2008/06/24/ult2240u131.htm 
http://www.slideshare.net/fchamis/advergames-no-brasil



18 de jan de 2011

Memorial (parte I)


Vou apresentar, em duas partes, um memorial que escrevi no ano de 2008 (no início do ano) para uma entrevista de emprego. Creio que vale a pena, pois demonstra um pouco a minha carreira e  alguns caminhos que venho trilhando nesta vida...

Sempre busquei uma vida intelectual intensa porque, creio, sou insatisfeito com a realidade que nos cerca. Talvez por isso, encontrei na leitura meu porto seguro, e nas Letras, meu ato de rebeldia com este mundo. Tomado por essa insatisfação, procurei na palavra, no discurso, algo que lograsse tal sentimento. Não por acaso estudei Letras na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, local em que pude realizar também o mestrado em Linguística, aliando o estudo da análise do discurso, da sexualidade, e da internet, tecnologia que nos encanta, que nos põe à mercê do mundo.